Pesquisar no Abadia em foco

02/09/2018

Marconi e Lúcia Vânia visitam Associação

Ex-governador e senadora vão uma dobradinha a favor de Goiás,afirmou o candidato
Candidato ao Senado na cha­pa da base aliada, o ex-Governa­dor Marconi Perillo (PSDB) dis­se, ontem, em visita à Associação dos Deficientes Físicos do Estado de Goiás (Adfego) que a senadora Lúcia Vânia (PSB) é candidata por merecimento. “A Lúcia Vânia foi convidada para estar mais uma vez ao nosso lado porque ela tem méri­to. Ela conquistou esse direito pelo trabalho, ajudando os nossos go­vernos, ajudando o povo, ajudan­do os municípios. Ela é candidata por merecimento”, disse Marconi.

O ex-governador falou da ex­pectativa de eleição dele e da par­lamentar para o Senado. “Ela e eu vamos fazer de novo, se Deus quiser, uma dobradinha a favor de Goiás”, afirmou.

Durante a reunião, a presiden­te da Adfego, Maria de Fátima Ro­drigues Carvalho, conhecida como Clara, lembrou a iniciativa da sena­dora em criar o Benefício de Pres­tação Continuada (BPC), que ga­rante um salário mensal à pessoa idosa e com deficiência. “Quando fui secretária nacional de Assistên­cia Social, no governo de Fernando Henrique Cardoso, eu tive a opor­tunidade de implantar a Lei Orgâ­nica da Assistência Social (Loas). Foi a primeira vez que nós tiramos a assistência social do favor, da ca­ridade, para transformá-la numa política pública”, disse Lúcia Vânia.

“A equipe econômica dizia para o presidente da República que a Loas e o BPC iriam quebrar o Bra­sil. E eu argumentava que não era possível isso, que nós tínhamos que dar uma resposta àqueles brasilei­ros que precisavam de uma aten­ção especial. Conseguimos vencer. Implantamos o BPC e foi o primei­ro reconhecimento público do go­verno federal da valorização desses brasileiros que tanto precisam des­se recurso”, explicou a senadora.

Lúcia Vânia comentou que o benefício é constantemen­te questionado no Congresso Nacional. “Recentemente, na reforma da Previdência, a pri­meira coisa que quiseram me­xer foi no BPC, estendendo a idade para 70 anos. Então nós precisamos, no Congresso Na­cional, de pessoas que tenham sensibilidade com os brasileiros que precisam de nós”, defendeu.

Do DM