Pesquisar no Abadia em foco

24/01/2018

Três homens são presos suspeitos de furtar cofres de bancos, lotéricas e Correios em nove cidades de Goiás

Segundo Policia Civil, grupo cortava sinal de telefone da cidade para evitar pedidos de ajuda. Vídeo mostra autores levando cofres de lotérica; assista.

Três homens são presos suspeitos de furtar cofres de bancos, lotéricas e Correios em GO
Três homens foram presos suspeitos de integrar um grupo especializado em furtos a bancos, lotéricas e Correios em Goiás. Imagens de câmeras de segurança mostram ação do grupo em Abadia de Goiás (assista acima). Segundo a Polícia Civil, em todas as ações, eles cortavam o sinal de telefonia da cidade para dificultar que fossem denunciados ou localizados.
"Eles cortavam o sinal de todas as torres e deixavam toda a população sem sinal para evitar a chamada policial e rastrear a comunicação deles", explicou o delegado responsável pela investigação, Alex Vasconcelos.

Vídeos mostram que parte dos criminosos invadiam as agências, localizavam os cofres e os amarravam com cabos de aço. Em seguida, usavam uma caminhonete adaptada para guinchá-los e levá-los até à zona rural, onde eram abertos. Os demais integrantes ficavam fazendo a segurança do lado de fora.

"Eles mesmos desenvolveram equipamentos para facilitar o furto do cofre. Eles utilizavam armamento pesado, de uso restrito, salvo engano. Só em duas situações fizeram reféns, mas nenhum foi violentado. Eles realizavam disparos para o alto para assustar", disse o delegado.
Grupo que furtava cofres usava carros de luxo, segundo polícia Goiânia Goiás (Foto: Paula Resende/G1)

Conforme as investigações, o grupo levava uma vida de luxo e tinha carros caros, como uma Toyota Hilux e um Hyundai Sonata, que foram apreendidos. Eles também vivam em casas com conforto e gastavam com viagens.

Presos

Os policiais prenderam o empresário Silomar Geremias de Lima, de 30 anos, apontado como líder do grupo, Johnatan de Souza Silva, 29 anos, e Geducie Gomes da Silva, de 32. Outros três integrantes do grupo foram presos em 6 de dezembro do ano passado, após furtar o cofre de uma agência em um posto de combustíveis de Abadia de Goiás. Apenas um participante do esquema está foragido.

Vasconcelos disse ainda que todos confessaram participação nos furtos. Eles serão indiciamos por Furto, associação criminosa, porte de armas de fogo e receptacão de veículos roubados para cometer os crimes.
Imagens mostram grupo furtando cofre em lotérica em Abadia de Goiás (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

O grupo era investigado desde 2015. Desde então, eles cometeram cerca de 30 crimes. Só em 2017, eles agiram em Abadia de Goiás, Vianópolis, Mundo Novo, Jandaia, Ouro Verde de Goiás, Uruana, Faina e Itaguaru, Horizona.

De acordo com o delegado, todos os envolvidos já haviam sido presos em outras operações, mas acabaram soltos e voltaram a agir com novos parceiros. "A gente não divulga valores, mas posso dizer que é uma das quadrilhas mais bem sucedidas em relação a valores", garantiu Vasconcelos.

A Polícia Civil contou com o apoio da Polícia Militar nas prisões. "Variações ações que praticaram, já prendemos mais de uma vez. A legislação é falha, a gente prende, polícia investiga, mas não ficam tempo presos, parecem que já estão acostumados a ser presos. Visamos levantar subsídios para que permaneçam mais tempo presos", disse o capitão da PM Paulo Henrique Ribeiro.

Segundo o militar, os três envolvidos presos nesta semana têm uma vida de luxo na Grande Goiânia. "As casas são boas, vivem bem, casas de luxo, eles esnobam dinheiro, ostentam, viajam", afirmou.

Por Paula Resende e Vanessa Martins, G1 GO

Nenhum comentário:

Postar um comentário